sábado, 28 de novembro de 2015

Primeira morte por Zica Vírus foi no Maranhão

A informação foi divulgada apenas agora pelo Instituto Evandro Chagas de Belém

Júlio César Silva de Jesus,35 anos, foi a primeira vítima fatal do Zica Vírus no Brasil, de acordo com confirmação do Instituto Evandro Chagas de Belém (PA). O paciente é de São Luís e faleceu no dia 01 de junho deste, após dar entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Bairro Araçagi, segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde (SES).
O paciente já sofria de Artrite reumatoide, Lúpus e Etilismo, doenças que podem ter se agravado ainda mais,  após ele ter adquirido o vírus.
Dados apontam que no Maranhão foram registrados, extra oficialmente, 2.640 casos de Zika Vírus. Porém, confirmados com sorologia somente cinco.
Até 12 de agosto, foram confirmados laboratorialmente casos de Febre do Zika nos Estados da Bahia, Rio Grande do Norte, São Paulo, Alagoas, Pará, Roraima, Rio de Janeiro, Maranhão, Pernambuco, Ceará, Paraíba, Paraná e Piauí. O Ministério da Saúde está monitorando a circulação do vírus por meio da vigilância sentinela, incorporada pelos Estados e Municípios.
A doença
O Zika virus (ZIKAV) é um RNA vírus, do gênero Flavivírus, família Flaviviridae. Até o momento, são conhecidas e descritas duas linhagens do vírus: uma Africana e outra Asiática.
O principal modo de transmissão descrito do vírus é por vetores. No entanto, está descrito na literatura científica, a ocorrência de transmissão ocupacional em laboratório de pesquisa, perinatal e sexual, além da possibilidade de transmissão transfusional.
A febre por vírus Zika é descrita como uma doença febril aguda, autolimitada, com duração de 3-7 dias, geralmente sem complicações graves e não há registro de mortes. A taxa de hospitalização é potencialmente baixa.
Segundo a literatura, mais de 80% das pessoas infectadas não desenvolvem manifestações clínicas, porém quando presentes a doença se caracteriza pelo surgimento do exantema maculopapular pruriginoso, febre intermitente, hiperemia conjuntival não purulenta e sem prurido, artralgia, mialgia e dor de cabeça e menos frequentemente, edema, dor de garganta, tosse, vômitos e haematospermia.. No entanto, a artralgia pode persistir por aproximadamente um mês.
Recentemente, foi observada uma possível correlação entre a infecção ZIKAV e a ocorrência de síndrome de Guillain-Barré (SGB) em locais com circulação simultânea do vírus da dengue, porém não confirmada a correlação.
O IMPARCIAL
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

DESTAQUE

Prefeita Thalita Dias esteve ontem no povoado Curva Grande com o Gabinete Itinerante.

A prefeita Thalita Dias esteve na manhã de ontem (15), com o Gabinete Itinerante no povoado de Curva grande, na oportunidade foi oferec...