domingo, 21 de agosto de 2016

Livro conta histórias de ‘Ostreiros’ de São Luís; obra será lançada na capital.


Livro conta histórias relatadas por vendedores de ostras de São Luís
Quem frequenta as praias de São Luís do Maranhão conhece bem os ambulantes da orla: queijeiros com suas latas em brasa, fruteiros com enormes bambus, marisqueiros com camarões e vendedores de ovo de codorna e castanha.
E os ostreiros: um grupo silencioso de pessoas que carregam isopor, conchas abertas, sal, limão e tempero seco. As ostras de praia são parte da tradição culinária local como o caranguejo e o arroz de cuxá.
O escritor Bruno Azevedo e a fotojornalista Ana Mendes andaram pelas praias da cidade no primeiro semestre de 2016 para fotografar e ouvir esses vendedores de rua. Com caderninho pra anotar as histórias e celular pra fotografar, eles buscaram a vida por trás dos isopores, para compor o primeiro perfil de um grupo de trabalhadores comuns na paisagem urbana: extrativistas, comerciantes, pescadores, tirando o sustento com limão e sal ao sol do quase equador. O resultado é Ostreiros (Pitomba!, 2016), livro com fotografias e histórias de vida de 33 catadores e vendedores de ostras, que traz o perfil e os retratos dos personagens e do espaço físico onde trabalham e circulam, principalmente nos fins de semana.
“Ostreiros é um livro de afetos. Apesar do cuidado etnográfico, do exercício da pesquisa, o que Ana Mendes e Bruno Azevedo realizam amplia o lugar do registro, do mapeamento das relações sociais da economia pregoeira. O que temos em mãos, em fotografias e textos, é um esforço eficiente de construção narrativa voltada para a transformação de ocupantes da faixa de praia em protagonistas genuínos”, diz o poeta Josoaldo Rego na orelha do livro.
Lançamento
O evento do lançamento que acontece no dia 26 de agosto às 19h na Casa de Nhozinho, Rua Portugal, Praia Grande, em São Luís, prevê, além da noite de autógrafos, uma ex-posição com as fotos dos ostreiros em tampas de isopores e uma instalação com ostras, isopores e paus de mangue preparada pelo artista visual Layo Bulhão. “Já entregamos o livro pra quase todos os personagens e é bonito ver como eles se reconhecem na publicação. Estamos também tentando trazê-los para o lançamento”, explica Bruno Azevedo.
O livro já está disponível na livraria Poeme-se e no site da editorawww.pitomba.iluria.com
Sobre os autores
Bruno Azevedo, 36 anos, é ludovicense. Autor de 9 livros, entre eles O Monstro Souza, Baratão 66 e Em ritmo de seresta.
Ana Mendes, 31, é gaúcha, fotojornalista e antropóloga.
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

DESTAQUE

Prefeita Thalita Dias esteve ontem no povoado Curva Grande com o Gabinete Itinerante.

A prefeita Thalita Dias esteve na manhã de ontem (15), com o Gabinete Itinerante no povoado de Curva grande, na oportunidade foi oferec...